Privatizações de São Paulo são referência para cidades e estados, diz presidente da SP Negócios

*REPRODUÇÃO DA REPORTAGEM DA AGÊNCIA ESTADO COM O PRESIDENTE DA SP NEGÓCIOS, JUAN QUIRÓS 

Londres, 12/06/2018 - O programa de privatizações, concessões e Parceria Público Privadas (PPP) do município de São Paulo é uma referência para cidades e Estados brasileiros, na avaliação do presidente da SP Negócios, Juan Quirós, apresentada ao Broadcast em Londres. Ele conversou com a reportagem na Embaixada do Brasil na capital britânica após participar do "SP Investment Day in London", evento realizado pela Prefeitura, em parceria com agência de negócios da cidade e a Apex-Brasil, para "vender" ativos da capital paulista. 

Juan Quirós faz apresentação a investidores na Embaixada Brasileira em Londres
Juan Quirós faz apresentação a investidores na Embaixada Brasileira em Londres

No total, está prevista a disponibilidade de 52 projetos. A ênfase de mais curto prazo é arrecadar US$ 1,5 bilhão com 15 deles neste primeiro momento, considerados os maiores e que incluem projetos como o do complexo do Anhembi, do parque do Ibirapuera e do autódromo de Interlagos, entre outros. Os recursos obtidos obrigatoriamente serão destinados a investimentos em áreas consideradas prioritárias e não podem ser usados para custeio de gastos correntes ou pagamento de dívidas.

"O que estamos fazendo aqui hoje é um programa de referência para os municípios e Estados brasileiros. Há duas situações: tudo o que estamos apresentando tem um custo, que está dentro do orçamento. Na hora que você faz as concessões, PPPs ou a venda direta, esse custo passa a ser receita, que pode ser investida, sem contar o próprio investimento, em áreas mais críticas, como Saúde e outras questões sociais. A venda vai para o fundo, mas o fim dos custos alivia o orçamento", argumentou o presidente da SP Negócios, afirmando que isso torna a gestão mais flexível.

Assim como havia dito mais cedo o prefeito da cidade, Bruno Covas (PSDB), a jornalistas no mesmo evento, Quirós destacou o momento de alta de moedas como dólar, euro e libra em relação ao real. "Sempre é o momento de vender. O investidor pensa a longo prazo e vê um ativo como o Anhembi - localizado na marginal - e que hoje um real vale próximo a 4 dólares, então, para ele, o momento ideal é comprar agora. O Brasil ficou barato para investir", comparou.

Na opinião do empresário responsável pela imagem dos negócios paulistanos, os ativos apresentados aos investidores têm como característica alta rentabilidade e baixo risco. "Esses 15 projetos são de alta densidade de retorno. O momento é certo, independentemente da questão eleitoral. Quem investe no Brasil já passou por isso: eleição, dólar subindo, dólar descendo. Então, agora é um momento para se investir no Brasil", reforçou.

A empreitada na mesma direção realizada em Nova York no mês passado e os primeiros contatos em Londres agora foram considerados um "sucesso" por Quirós. "A SP negócios faz reuniões para sentir a temperatura do mercado e procuramos responder a todas as perguntas e buscar o interesse. Estou bastante confiante de que vamos ter sucesso em boa parte do que está prometido até o fim do ano. No próximo ano vão sair outros projetos e ainda temos dois anos e meio pela frente", disse.

Durante a passagem pela capital britânica, a agência de fomento também acertou uma missão comercial com o Reino Unido para internacionalizar startups brasileiras. O evento deve ocorrer em setembro, em São Paulo. (Célia Froufe, correspondente - celia.froufe@estadao.com)